Oftalmologia Pediátrica

O desenvolvimento visual na infância pode sofrer diversas interferências de patologias oculares cujo diagnóstico, muitas vezes, é difícil, pois necessita da atenção dos pais, parentes e professores já que, dificilmente, a criança se queixa de alguma dificuldade.

  • A principal patologia a ser combatida é a Ambliopia, (olho preguiçoso) que pode levar à cegueira se não tratada. Ocorre quando há deprivação de boa qualidade de imagem no período do desenvolvimento visual, com uma preferência de um olho em relação ao outro que pode ser causada por:

  • Diferença de graduação com uma imagem mais embaçada que a outra.

  • * Presença de estrabismo (desvio dos olhos nas posições horizontal ou vertical) onde a fixação ocular é sempre feita por um dos olhos;

  • * Barreiras visuais como, por exemplo, opacidade na córnea (leucoma) ou no cristalino (catarata congênita) e ptose congênita (queda da pálpebra).

  • O tratamento da ambliopia visa, inicialmente, a eliminação da dificuldade na formação da imagem adequada como: prescrição de óculos, retirada da
  • catarata ou cicatrizes e correção do estrabismo com lentes ou cirurgia. Após a patologia devidamente tratada, a utilização de tampão no olho bom para estimular a visão do outro olho é fundamental.

  • A presença destas alterações é, na maioria das vezes, observado somente pelo oftalmologista em um exame de rotina e preventivo.
  • Outras doenças oculares também podem estar relacionadas ao desenvolvimento, como o:

  • * Glaucoma congênito

  • * Retinopatia da prematuridade, podendo ocorrer em crianças nascidas com menos de 1,5kg

  • * Obstrução das vias lacrimais

  • * Rubéola e Toxoplasmose adquiridas pela mãe durante a gravidez, podem provocar Catarata e lesões irreversíveis da retina